esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

04/12/2015

Tribuna do Paraná demite mais quatro jornalistas e dois paginadores

Tribuna do Paraná demite mais quatro jornalistas e dois paginadores
Novamente as empresas de comunicação demitem em um período extremamente delicado para o trabalhador, que é o final do ano, o que gera insegurança em relação às perspectivas do próximo ano e ao futuro dos profissionais

Engordando o ranking do Demissômetro do SindijorPR, a Tribuna do Paraná acaba de desligar mais 4 jornalistas e 2 paginadores. Em outubro foram outros 4 profissionais. A Editora O Estado do Paraná, da qual o jornal faz parte, já soma 22 desligamentos em 2015.

“Esse cenário causa revolta entre a categoria, por se tratar de um veículo histórico para o jornalismo paranaense, mas que agora enxuga postos de trabalho e o que é essencial para a profissão”, afirma Gustavo Vidal, diretor-presidente do SindijorPR.

Conforme material já divulgado pelo SindijorPR (veja aqui e aqui), o jornalismo enfrenta um período difícil com uma crise de modelo de negócios e financeira. “É um momento de dificuldade vivido pelo jornalismo impresso, mas temos reafirmado que isso não justifica erros de gestão, não justifica a insegurança que é gerada nos profissionais que não têm acesso aos dados e ao futuro do grupo”, detalha Pedro Carrano, diretor-administrativo do Sindicato.


A direção do SindijorPR também tem criticado a concentração midiática e a propriedade cruzada dos meios de comunicação, o que fez com que a empresa o Estado do Paraná fosse comprada pelo grupo GRPCom, em janeiro de 2012, para agora fazer cortes no jornal até o limite do suportável. É bom lembrar que recentemente o grupo já havia "enxugado" as redações da RPC TV e da Gazeta do Povo, sempre prejudicando os trabalhadores com menores salários, em detrimento dos cargos de alto escalão.

Rafael Tavares, diretor de redação da Tribuna, justifica as demissões devido ao momento econômico. “Tínhamos a expectativa de fechar esse ano com um resultado melhor. Fizemos projeções para 2016, mas que não demonstraram ser muito boas. Foi necessário reduzir um pouco a estrutura para que o negócio tenha solidez, possa enfrentar essa situação e crescer novamente”.

Para o SindijorPR a gestão da Tribuna é equivocada. “O que acompanhamos é o desmonte e o sucateamento do jornal. Previsões otimistas são acompanhadas de gerenciamento produtivo. Mas para a direção da Tribuna, combater a crise basta demitir trabalhador”, afirma Gustavo Vidal.

O veículo ficará com uma estrutura com cerca de 25 pessoas, sendo 18 a 20 jornalistas, e com novos projetos em andamento, como o novo site e o lançamento de aplicativos. “Mais trabalho e menos jornalista. Não será assim que a Tribuna fará jornalismo qualificado explorando ao máximo os poucos profissionais que permanecem”, finaliza Gustavo Vidal.

Autor:Comunicação Sindijor-PR