esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

05/10/2015

Atos no Paraná e no mundo dizem não ao fracking no Brasil

Atos no Paraná e no mundo dizem não ao fracking no Brasil
SindijorPR pendurou uma faixa sobre na fachada de sua sede na região central de Curitiba - Laís Melo

No último domingo (04), diversas manifestações no Brasil e no Mundo disseram não ao Fracking — processo usado para extrair gás do folhelho de xisto que se encontra no subsolo.


No Paraná não foi diferente. Em Curitiba ativistas protestaram em frente ao escritório da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Combustíveis (ANP), no Bigorrilho, e na feira do Largo da Ordem. Em Toledo, no Oeste do estado, cerca de mil pessoas participaram de ato no Parque Ecológico Diva Paim Barth.


A manifestação faz parte das ações que busca impedir a 13ª rodada de leilões de petróleo e gás da ANP, marcada para quarta-feira (7). A 12ª rodada, que no fim de 2013 licitou blocos situados em 123 municípios da faixa oeste do Paraná, foi suspensa pela Justiça no ano passado.


“É preciso perfurar um poço profundo e injetar entre 8 e 25 milhões de litros de água misturados a centenas de produtos tóxicos e cancerígenos e areia a uma pressão alta o suficiente para fraturar (frack) a rocha e liberar o gás (shale gas)”, afirmaram os manifestantes em nota, salientando que o processo de extração do gás é extremamente danoso.


“Em todo o mundo está havendo movimentação das comunidades para proibição desta prática. O SindijorPR entra nesta luta, não podemos autorizar uma ação irresponsável, que pode proporcionar danos ambientais, sociais e econômicos ainda não imagináveis. E o problema não está longe da gente, o Oeste do Paraná está sendo ameaçado. O desenvolvimento social deve estar aliado com projetos que não prevejam impactos dessa grandeza, isso não é desenvolvimento, é retrocesso”, afirma Gustavo Vidal, diretor-presidente do sindicato.


Para chamar a tenção da população, o SindijorPR pendurou uma faixa sobre o tema na fachada de sua sede que fica na região central de Curitiba. “Precisamos que a imprensa se atente a esse tema e ajude a esclarecer toda a população. Muita gente ainda não sabe sobre o que se trata, pois, simplesmente, não se fala disso, como não se fala de tantos outros projetos que provocam danos diretos em nossas vidas”, finaliza.


O que é o Fracking


Fracking é um processo destrutivo usado para extrair gás da rocha de xisto que se encontra no subsolo. É preciso perfurar um poço profundo e injetar milhões de litros de água misturada a centenas de produtos tóxicos e cancerígenos e toneladas de areia a uma pressão alta o suficiente para fraturar a rocha e liberar o gás metano.


A prática contamina a água que serviria para o consumo humano, indústria e agricultura e também os lençóis freáticos com centenas de produtos químicos utilizados no processo. Além dos impactos ambientais, econômicos e sociais, o fracking já está associado a terremotos e também contribuiu para as mudanças climáticas.


Desenvolvida pela 350.org Brasil e Coesus?—?Coalizão Não Fracking Brasil, uma campanha de mobilização tem por objetivo impedir que o fracking aconteça em nossas fronteiras, alertando gestores públicos e população para esta ameaça que ronda o futuro de todos os brasileiros.


Mobilização


No próximo 7/10, o governo federal pretende leiloar 266 novos blocos para a exploração comercial de gás de xisto (shale gas) através do fraturamento hidráulico.


“A decisão do Ministério de Minas e Energia e da Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) em abrir as portas do país para operações de fracking representa uma séria ameaça para a água que bebemos, para o ar e também para a nossa saúde. Não queremos arriscar, pois fracking mata tudo que está a sua volta.”, afirma o fundador e coordenador nacional da Coesus, professor Juliano Bueno de Araujo.


Mais informações aqui e aqui

Autor:Comunicação SindijorPR - Informações 350.org e COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil