esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

06/11/2020

SindijorPR não irá tolerar retaliação a jornalistas na Gazeta do Povo

Empresa ignorou carta assinada por mais de 120 profissionais que exigem medidas contra colunista defensor de estupro; entidades repudiam decisão e se solidarizam com trabalhadores


Os Sindicatos dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) e do Norte do Paraná (SindijorNorte) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) estão atentos aos últimos acontecimentos na Gazeta do Povo e não irão tolerar qualquer tentativa de intimidação ou retaliação aos mais de 120 trabalhadores e trabalhadoras que se manifestaram internamente sobre a manutenção do colunista Rodrigo Constantino, um defensor do estupro, nos quadros da empresa.


Nesta semana, Constantino disse que, caso sua filha alegasse ter sido estuprada, mas tivesse bebido antes de sofrer a violência, ele a colocaria de castigo e não denunciaria a situação. O comentário, feito após a absolvição do empresário André de Camargo Aranha, acusado de estuprar uma jovem no Cafe De La Musique, em Florianópolis, motivou a demissão do colunista do Correio do Povo, da Rádio Guaíba e até mesmo da Jovem Pan e da TV Record, alinhadas ao bolsonarismo.


O Sindicato também repudia a decisão da direção do jornal, que contraria suas próprias "convicções" e, mais do que isso, afronta o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, especialmente quanto ao artigo sexto, a saber:

É dever do jornalista:

I - opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão, bem como defender os princípios

expressos na Declaração Universal dos Direitos Humanos.


A postura do jornal, é importante destacar, também legitima as declarações de Constantino, no sentido de que seria possível relativizar a violência sexual praticada contra mulheres em condição de vulnerabilidade.


Além disso, ao ignorar o apelo dos trabalhadores e das trabalhadoras, a Gazeta do Povo se alia ao que existe de mais retrógrado em termos de violência de gênero e misoginia, de certa forma praticando também uma violência de ordem moral contra os e as profissionais da empresa.

Autor:SindijorPR