esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

29/04/2015

SindijorPR repudia truculência do governador do Paraná

SindijorPR repudia truculência do governador do Paraná
Gustavo Vidal

Inacreditável! Absurdo! São estas as principais expressões que se lê nas redes sociais, hoje (29), para definir a bestialidade das ordens de ataque do governador Beto Richa e do secretário de Segurança no Centro Cívico.


O governo Beto Richa chegou ao auge do autoritarismo, falta de democracia, repressão e desrespeito com os trabalhadores. E a sociedade paranaense se mostra indignada com as cenas de repressão gratuitas desencadeadas pela Polícia Militar sob o comando do governador.


Para impedir professores e servidores públicos estaduais de se expressarem contra o projeto de lei do governo 252/15, que quer meter a mão na previdência do funcionalismo, Beto Richa fez o inimaginável para isolar a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e deixar os deputados governistas à vontade para aprovar o seu projeto sem resistência. Para intimidar a população, cercou a Casa do Povo com grades e policiais, com ordem para reprimir a qualquer custo. Não havia qualquer razão para a truculência.


O resultado da ação, que envolveu tiros de bala de borracha, gás lacrimogênio, uso de helicópteros e grande quantidade de sprays de pimenta, repressão com cães foi até o momento de 107 feridos trabalhadores feridos. A crônica anunciada dessa tragédia já vinha se desenhando pelo método como a Alep foi cercada e a forma como os manifestantes estavam sendo tratados.


Desta vez, a truculência do governador atingiu também a imprensa. O repórter cinematográfico da Band, Luiz Carlos de Jesus, foi mordido por um dos cachorros da polícia, assim como o deputado estadual Rasca Rodrigues. Outro cinegrafista, Rafael Passos, da Catve, e dois repórteres fotográficos, Henri Milleo da Gazeta do Povo e o freelancer André Rodrigues, foram atingidos por tiros de balas de borracha.


O SindijorPR repudia o autoritarismo do governo Richa, que extrapola qualquer noção de bom senso, que se iguala às ações do período ditatorial. O SindijorPR se soma ainda aos setores progressistas e movimentos sociais para recuperar a democracia em nosso estado.
Autor:Direção do SindijorPR