esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

27/08/2019

Fasubra é condenada por assédio contra diretora do Sindicato dos Jornalistas do DF



A Fasubra - Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil - foi condenada pelo TRT a indenizar a sua ex-jornalista e diretora do Sindicato dos Jornalistas do DF, Luciana Castro, por assédio e dano moral, além de pagamento retroativo da carga horária acima das 5 horas regulamentar da profissão de jornalista.


Em decisão de 1.ª instância, julgada no dia 16 de agosto, o juiz Luiz Fausto Marinho de Medeiros, condenou a Fasubra por assédio moral. A prática de assédio dos diretores da Fasubra incorreu após o pedido da jornalista de regularização da sua jornada conforme define a legislação trabalhista. “Verifica-se que a reclamante foi publicamente hostilizada pelos superiores hierárquicos pelo fato de haver requerido a adequação de sua jornada de trabalho por exercer a função de jornalista, restando caracterizado o assédio moral por infringência da honra, imagem e liberdade de ação da trabalhadora, o que deve ser reparado”, afirmou em sentença.


A Federação ainda foi condenada ao pagamento de diferencial da carga horária, já que a jornalista realizava, entre 2015 e 2018, jornadas superiores a prevista na CLT para jornalistas. A Fasubra foi condenada ao pagamento do excedente à 5.ª hora diária como hora extra, com adicional de 50% nas horas realizadas, incidindo reflexos em férias, 13.º salários, verbas rescisórias, repouso semanal remunerado e no FGTS.


Para a diretoria do Sindicato dos Jornalistas, a condenação da Fasubra faz justiça contra os empregadores que desrespeitam cotidianamente seus trabalhadores. “É impensável e extremamente contraditório que uma entidade sindical pratique, contra seus empregados, abusos e fraudes trabalhistas, é ainda mais inadmissível que uma federação se utilize de condutas antissindicais, perseguindo uma dirigente sindical pela simples defesa de seus direitos, resultando em sua demissão”, reforça a nota publicada pelo Sindicato em maio de 2018.
Autor:SJPDF