esqueci minha senha / primeiro acesso

ARTIGOS

Autor: Mariana Franco Ramos
05/03/2015

Por uma imprensa sem "musas"

Por uma imprensa sem "musas"

Tomar consciência do machismo e mostrar onde ele se manifesta também é função dx jornalista


'Musa fitness', 'musa do tênis', 'musa da política'... Referir-se à beleza ou à suposta ausência dela para camuflar feitos de mulheres já se tornou prática recorrente nos meios de comunicação brasileiros. Retratos que são da sociedade, os veículos de imprensa reproduzem, mas também reforçam práticas machistas e misóginas.


Não importa se você é atleta, cientista, professora ou presidenta, muito menos se tem ou não cumprido com as obrigações exigidas pelo cargo que ocupa. O que vale é estar em perfeitas condições de embelezar, ou melhor, de 'enfeitar' o ambiente. Se decidir se 'desdobrar em mil', exercendo os papeis de mãe, profissional liberal e dona de casa, melhor ainda. Só lembre-se de sempre 'manter a feminilidade'.


Em fevereiro de 2014, um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que, para 58,5% dos entrevistados, "se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros".


Ávidos por números, embora nem sempre tenhamos cuidado ao analisá-los, nós, jornalistas, nos deliciamos com estudos desse tipo. Dão manchete. Por outro lado, poucos são os que, ao refletir sobre os dados, consideram também sua parcela de culpa em relação a eles.


É notório que apenas algumas famílias detêm o controle dos jornais, rádios e televisões do País. Repórteres e editores não são, portanto, responsáveis por linhas editoriais inteiras e/ou eventuais posicionamentos impostos pelos seus patrões. Ainda assim, têm o poder, mínimo, talvez, de contribuir para que a cobertura seja o mais equilibrada possível.


Tomar consciência do machismo e mostrar onde ele se manifesta é também função do jornalista. No Dia Internacional de Luta (sim, luta) das Mulheres, que possamos disseminar a ideia de que aguentar injustiça, ou perpetuar desigualdades, não é, nem nunca foi, elogio.




*As opiniões publicadas aqui não refletem necessariamente a posição do SindijorPR, são de responsabilidade do próprio autor. Envie também seu artigo: extrapauta@sindijorpr.org.br.
Articulista: Mariana Franco Ramos
É jornalista e neste 8 de março não quer nada além de respeito.