esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

29/05/2020

SindijorPR aguarda retorno sobre renovação da convenção coletiva

SindijorPR aguarda retorno sobre renovação da convenção coletiva
A direção executiva do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) esclarece aos trabalhadores da categoria que as negociações para a campanha salarial foram paralisadas durante a pandemia. A data-base dos jornalistas é 1º de maio e enquanto não houver nova assinatura, os direitos definidos na CCT estão em risco.


A principal preocupação, no momento, relativa à CCT, é que os sindicatos patronais acatem o pedido do SindijorPR e do Sindicato do Norte do Paraná sobre a ultratividade, que é a renovação dos termos em vigência até 30 de abril de 2020 até que uma nova negociação possa ser efetivada.


"O que nós temos é um compromisso informal dos dirigentes patronais que avaliam a prorrogação, mas ainda aguardamos o retorno oficial dos sindicatos que negociam conosco em nome das empresas", explica do diretor-presidente do SindijorPR, Gustavo Henrique Vidal.


O SindijorPR chegou a antecipar o processo de negociação, ainda antes da Organização Mundial da Saúde (OMS) decretar a pandemia, que logo culminou em decretos municipais, estaduais e municipais que, indiretamente, travaram a negociação. A assembleia de aprovação da pauta de reivindicações foi realizada, tanto nas bases do SindijorPR quanto no Sindicato do Norte, e a proposta dos jornalistas foi protocolada às empresas. Outro agravante foi o processo eleitoral no sindicato patronal, que atrasou uma avaliação para o início das negociações, mesmo que tenha havido iniciativa nesse sentido por parte dos trabalhadores.


A inflação no período da data-base fechou em 2,4% e a reposição, mais uma estimativa de aumento real, era a reivindicação da proposta, que será retomada assim que as negociações forem possibilitadas. Mas, no momento, o Sindicato está focado em garantir redução de danos entre os trabalhadores da categoria, num cenário de crise sanitária, política e econômica no país, em que as empresas de comunicação se apropriaram da MP 936 e tornaram regra na categoria a assinatura de acordos individuais de redução de 25% nos salários e, supostamente, nas jornadas, o que impede que sejam coletivizados em acordos com o Sindicato, conforme define a MP.


Estrutura


A situação extrema também agravou consideravelmente a condição financeira do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná, desde os repasses nos cortes de 25% nas contribuições mensais, diminuição do número de sindicalizados e da emissão de carteiras de jornalista (nacional ou internacional), a impossibilidade de realização de eventos, de formação ou lazer, situações dificultadas também pela necessidade de fechamento da sede e da manutenção de atendimento exclusivamente virtual ou mediante agendamento com hora marcada.


Destaca-se, ainda, que essas são as únicas fontes de renda para manutenção de estrutura básica da entidade, para viabilizar o pagamento de luz, internet, serviços e funcionários, desde que o imposto sindical foi suspenso e, considerando que o sindicato não terá acesso nos próximos meses aos valores referentes à taxa negocial da campanha salarial, repassada sempre após assinatura da Convenção Coletiva.


Nesse cenário, o SindijorPR reitera a importância do apoio e fortalecimento das ações do sindicato, e de sua própria existência, solicitando aos profissionais jornalistas que renovem suas carteiras de jornalista, nacional ou internacional, que mantenham o pagamento das mensalidades em dia e que se sindicalizem.

Saiba mais

Acesse aqui para se sindicalizar


Autor:Flávio Augusto Laginski Fonte:SindijorPR