esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

16/05/2019

Greve da educação mobiliza população contra ações do governo Bolsonaro

Greve da educação mobiliza população contra ações do governo Bolsonaro
Foto: Gibran Mendes

Mais do que um dia nacional de paralisação contra cortes orçamentários no ensino público promovidos sem diálogo com a sociedade pelo governo Bolsonaro, o #15M, greve em defesa das universidades públicas federais e dos institutos técnicos federais, mobilizou todas as bandeiras de luta contra os retrocessos no Brasil.


Em Curitiba, uma grande marcha, com concentração na Praça Santos Andrade, saiu em direção ao Centro Cívico, liderada por estudantes, seguida por professores, pesquisadores, representantes dos movimentos sociais e também com a adesão unitária de movimentos sindicais, que levaram suas bases para somar na mobilização.


Dirigentes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) participaram da manifestação, em defesa da educação pública e contra os cortes orçamentários. "A luta em defesa da educação pública, da pesquisa, da extensão, da ciência é de todos nós. Estaremos sempre somando nas mobilizações de rua contra a retirada de direitos e contra essa agenda de retrocessos que em tão pouco tempo de governo já custou tanto à população. Estamos hoje pela educação, estaremos dia 14 de junho, na greve geral da classe trabalhadora, em defesa da previdência social", destaca Paula Zarth Padilha, diretora de Ação para a Cidadania do SindijorPR.


Abraçada numa bandeira LGBTI+, Laura, de 21 anos, formada em mecânica pelo Instituto Federal (IFPR), explicou que nesse momento é necessário expor todo o contexto de opressão que a população brasileira está passando. “A bandeira é contra as declarações e ofensas contra os LGBTI. Esse é um momento importe de reivindicar”.


Ana Elisabeth, 14 anos, estudante do IFPR no curso técnico de alimentos, também estava na praça, defendendo a instituição. “É um absurdo o corte de verbas, o corte de direitos dos estudantes. Eu espero que com as manifestações o governo se conscientize que não é certo”, disse.


Outra estudante secundarista, vestida com uma camiseta com a imagem do ex-presidente Lula, explicou que no Colégio Estadual do Paraná os alunos se organizaram coletivamente, junto ao Grêmio Estudantil e à UJS, para se encontrarem em frente e aderirem à paralisação, participando da marcha. “No Colégio Estadual não tem aula”, afirmou Isabelle, 16 anos.


O estudante Pedro Calixto, de 29 anos, doutorando em ecologia e conservação pela UFPR, escolheu a camisa amarela da seleção brasileira de futebol para somar na manifestação. “Temos que retomar nossos símbolos de orgulho que foram cooptados pelo outro lado”, defende.


No caminhão de som, nos cartazes, nas bandeiras, outras reivindicações foram expostas por sindicatos, partidos políticos, movimentos sociais e organizações estudantis, como a luta contra a Reforma da Previdência e o ato da educação como preparatório para a greve geral de 14 de junho, convocada pelas centrais sindicais.


“Estamos num espaço simbólico, na Praça Santos Andrade, entre a Universidade Federal mais antiga do país e o prédio da Previdência Social. A defesa da educação pública e da previdência pública são nossas pautas”, disse Walkiria Olegário Mazeto, dirigente da APP Sindicato.


A defesa da cultura, do meio ambiente e de Lula Livre também eram pautas presentes em meio às palavras de ordem contra o presidente Bolsonaro. A presidenta da CUT Paraná, Regina Cruz, explicou que diversas categorias de trabalhadores organizadas por sindicatos também realizaram ações nos locais de trabalho, como na Repar, sede da Petrobrás em Araucária.


“Eu iniciei o dia participando do ato junto aos petroleiros e seguimos aqui na Praça nesse ato convocado pela CNTE contra os cortes do governo federal e em defesa da educação pública. Nossa luta é um esquenta para a greve geral, é uma luta constante para sairmos nas ruas, são várias categorias parando as atividades em Curitiba, região metropolitana e outras cidades do Paraná”, situou a dirigente.


O secretário de comunicação da CUT Paraná, Daniel Mittelbach, acompanhou a marcha e também foi um dos representantes dos manifestantes numa agenda com deputados estaduais da comissão de educação da Assembleia Legislativa do Paraná. “É uma agenda local, sobre a valorização da educação, mas realizada de forma a coincidir com a greve da educação pública federal. Vamos pressionar as bases dos deputados para interceder contra os cortes do governo federal”, explicou.


A marcha da manhã terminou no Centro Cívico de Curitiba e foi retomada durante a noite, finalizando um dia de greve em que a aula nas universidades públicas federais foi realizada nas ruas, com protagonismo também dos estudantes secundaristas, que querem ter o direito, no futuro, de estudar também nesses locais.


Com informações da Fetec/CUTPR.