esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

31/08/2018

Categoria cobra nova proposta das empresas e analisa alternativas para CCT

Foto: Valquiria Cristina da Silva.


O impasse na Campanha Salarial, criado pelos patrões, foi pauta da assembleia dos jornalistas na noite de ontem (30). A categoria voltou a analisar alternativas para renovar a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2018/2019, mas cobra uma nova proposta das empresas para a próxima mesa de negociação. Na última reunião entre o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) e representantes das empresas, os sindicatos patronais reapresentaram a mesma pauta, já negada pelos jornalistas.


“Mesmo com as empresas recuando nas propostas de demissão em massa e redução da hora extra, as demais propostas estão colocadas na mesa como inegociáveis. Estamos discutindo alternativas para avançar na nossa pauta, mas a intransigência patronal impede qualquer negociação”, relata o diretor-presidente do SindijorPR, Gustavo Vidal.


A proposta das empresas colocada na mesa de negociação prevê reajuste de 2%, retirada do índice de 50% do anuênio, liberação de acordos individuais (com duração até 6 meses), tornar facultativa a homologação no sindicato, cinco dias a mais na licença paternidade e palestras sobre segurança de jornalistas. “Durante a assembleia não houve a votação dessa proposta, apenas avaliamos nossas pautas para retornar às negociações defendendo a CCT”, destaca Gustavo Vidal.


Acordos


A assembleia ainda avaliou acordos em separado por empresas. O acordo de Programa de Participação nos Resultados (PPR) do jornal Tribuna do Paraná não foi analisado, já que a empresa retirou as propostas.


Já a renovação do acordo de Extensão da Jornada da RPC foi aprovada por maioria em todas as assembleias, realizadas em Curitiba, Cascavel, Foz do Iguaçu e Ponta Grossa. A vigência do acordo é de um ano, a partir de 1º de outubro de 2018.


Em relação aos acordos de Banco de Horas e PPR do jornal Gazeta do Povo, jornalistas presentes à assembleia solicitaram mais tempo para discussão da proposta e com a assembleia sendo realizada na empresa com a participação de mais trabalhadores. Por maioria, a proposta foi aprovada e o SindijorPR agendará um nova data para discutir as duas propostas.

Autor:SindijorPR