esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

26/04/2018

Prêmio Sangue Novo ultrapassa a marca de 600 trabalhos inscritos

Prêmio Sangue Novo ultrapassa a marca de 600 trabalhos inscritos

Deu trabalho, mas valeu a pena. Foram 626 trabalhos inscritos para o 22.º Prêmio Sangue Novo de Jornalismo, um recorde, superando em pouco mais de 70 trabalhos inscritos na edição do ano passado.


Algumas novidades foram trazidas para a edição deste ano, como explica a diretora de cultura do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR), Silvia Valim. “Quisemos inovar em alguns aspectos, como reformular o site, trazer vídeos de alguns jurados com dicas para os inscritos, criar memes para dialogar com o estudante e antecipar finalistas do prêmio. A lista, aliás, foi divulgada no Coletivo ChegaJunto – um espaço criado para aproximar ainda mais os acadêmicos de jornalismo, professores e o Sindicato. Tudo isso foi pensado para que o estudante entenda as ações da entidade e se sinta representado pelo
SindijorPR”, conta.


Valim comenta ainda que todas as categorias terão prêmios para os três primeiros colocados. “A exemplo do ano passado, novamente mantemos troféus para os primeiros, segundos e terceiros lugares. É uma forma de valorizar também aqueles que tiveram um ótimo desempenho, mas que acabaram sendo superados”.


Universidades aderiram maciçamente


Um detalhe que chamou a atenção do 22.º Prêmio Sangue Novo de Jornalismo foi o fato de que todos os 17 cursos de jornalismo no Paraná enviaram ao menos um trabalho para o prêmio.


O campeão de inscritos foi novamente a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), que trouxe para o Sangue Novo 128 trabalhos. Em seguida, vem o Centro Universitário Internacional (Uninter), com 108 projetos. Fechando os três primeiros lugares, temos a Universidade Positivo (UP), com 89 inscrições.


O interior do Estado também fez bonito. A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) trouxe para o Sangue Novo 45 trabalhos, seguido de perto pela Faculdade Santa Amélia, também de Ponta Grossa (30), e da Universidade do Centro Oeste, de Guarapuava (28).


“É importante frisar que o Sangue Novo não trata apenas das universidades da capital. O interior sempre vem forte, conquistando vários prêmios ao longo dos anos. Sempre ficamos felizes em ver que o pessoal vem em peso participar da premiação”, enfatiza o diretor-presidente do SindijorPR, Gustavo Vidal.

Trabalhos excluídos


Para não dizer que tudo foram flores no Sangue Novo, a comissão julgadora do prêmio encontrou diversos projetos que precisaram ser eliminados da competição por não seguirem as regras do regulamento.


A diretora financeira do SindijorPR, Maigue Gueths, que fez parte da comissão organizadora do Sangue Novo, explica que a falta de atenção dos estudantes acabou custando caro. “É uma pena ter que eliminar trabalhos por conta de deslizes. Era falta de paper, link quebrado, formulário preenchido incorretamente, entre outros problemas. O projeto até poderia ser bom, interessante, mas somos rígidos quanto às regras e não tivemos alternativa a não ser excluí-los”, afirma.


Pré-sindicalização


Um dos destaques deste Sangue Novo vai para a carteira da Imprensa universitária que tem custo de 1% do valor do piso e tem validade de um ano. A premiação vai contar com uma banca para pré-sindicalização. Os R$ 34 poderão ser pagos em dinheiro, no cartão de crédito e débito. “Como futuro jornalista o estudante também precisa ir pra rua apurar dados, produzir entrevistas, fotos e gravações e é importante que eles tenham uma identificação. Enquanto não finalizam a graduação, eles têm a carteirinha”, explica.


Como estímulo, neste ano os alunos que estiverem com a carteirinha em mãos irão concorrer a prêmios. Alunos que solicitarem e pagarem o pedido no dia também poderão participar.


Jurados


Os jurados selecionados para avaliar os trabalhos fizeram um trabalho pro bono, isto é, de forma voluntária. Como forma de agradecimento, o SindijorPR disponibilizou para eles bolsas ecológicas, além de moleskine e caneta personalizada.


Coletivo ChegaJunto


Os estudantes que participam do Coletivo ChegaJunto foram os primeiros a ver a lista dos finalistas do Sangue Novo. Para participar basta apenas curtir a página do grupo no Facebook. Viu como é simples?


Autor:Flávio Augusto Laginski Fonte:SindijorPR