esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

09/02/2018

Greve no “O Diário” tem adesão de 90% dos jornalistas

Greve no “O Diário” tem adesão de 90% dos jornalistas
Sem receber salários desde outubro de 2017, jornalistas do “O Diário”, veículo de comunicação da região Noroeste do Paraná, entraram em greve na quarta-feira (7). Segundo o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná, a adesão é de 90% dos profissionais. São 15 jornalistas e dois estagiários que paralisaram as atividades após esgotadas todas as tentativas de negociação junto aos diretores da empresa.


Os atrasos salariais na empresa se arrastam desde 2016, quando O Diário entrou em processo de recuperação salarial. De lá para cá a situação foi se agravando. Além de não receberam seus vencimentos desde outubro, o 13º salário de 2016 chegou com um ano atrasado e parcelado. Também não há previsão para o pagamento do benefício referente ao ano passado. Férias também não são pagas de forma regular. O FGTS dos trabalhadores não é recolhido desde maio de 2016 e demissões também são frequentes, com direitos sendo negados.


Em janeiro, o sindicato já ingressou com ação coletiva na Justiça exigindo o pagamento de salários e outras dívidas. O processo tramita na 1ª Vara do Trabalho de Maringá. Ao mesmo tempo, os diretores acompanham o trabalho do Ministério Público do Trabalho (MPT), que abriu uma ação civil pública para apurar as irregularidades trabalhistas em O Diário. A ação segue tramitando. Nesta sexta-feira (9), o procurador do MPT recebeu diretores do sindicato e os jornalistas da empresa.


Na terça-feira (6) uma carta pública dos profissionais da redação do jornal foi divulgada alertando para a possibilidade da greve. “Num cenário lastimável, cada jornalista vai lutando com suas economias. São 24 meses de contas atrasadas, juros nos bancos, perda de patrimônio, poupanças esvaziadas, financiamentos arruinados”, diz trecho do documento divulgado pela redação do jornal.


Na carta aberta à sociedade, os jornalistas informam que buscaram estabelecer diálogo com a direção do jornal. “Tentamos dialogar com a empresa que, por tantos anos nos pagou corretamente e nos permite atuar no que gostamos, esse jornalismo feito com garra, apesar das condições externas”, diz o documento.


Devido ao processo de recuperação judicial, o periódico conta com um Conselho de Administração, ao qual o Sindicato dos Jornalistas do Norte do Parana tentou fazer parte. “Fizemos uma proposta de participação, mas a empresa sequer respondeu nosso ofício. Temos tentado todas as negociações com a empresa, mas a situação tornou-se insustentável”, comenta Danilo Marconi, presidente da entidade.


O dirigente destaca o compromisso dos profissionais do “O Diário” mesmo diante de um cenário que se arrasta desde 2016. “Em todo esse tempo eles nunca deixaram de cumprir o compromisso com o jornalismo e com os leitores do jornal. São dois anos sem que uma única edição tenha deixado de ser feita”, aponta.


Nos últimos dias, os profissionais em greve tem recebido apoio de vários segmentos da sociedade. Acompanhados de diretores do sindicato, eles estiveram na Câmara de Vereadores na quinta-feira (8) para expor a situação aos parlamentares e pedir apoio da sociedade. Nesta sexta-feira (9), eles foram recebidos pelo arcebispo da Arquidiocese de Maringá, Dom Anuar Battisti, que se mostrou solidário à luta da categoria. O Sindicato dos Servidores da Universidade Estadual de Maringá (Sinteemar), bem como a Reitoria da UEM também declaram apoio aos jornalistas.


Como essas entidades, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) vem a público para manifestar apoio aos jornalistas do O Diário. “Manifestamos toda solidariedade aos jornalistas em greve e nos colocamos à disposição do Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná. Nosso repúdio à direção da empresa, que não demonstra vontade em negociar e lamentamos que alguns colegas não tenham aderido ao movimento, mesmo estando na mesma situação que os demais, demonstrando falta de consciência de classe neste momento”, comenta Gustavo Vidal, presidente do SindijorPR.
Autor:SindijorPR