esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

27/10/2017

Trabalho intermitente é prejuízo na certa

Trabalho intermitente é prejuízo na certa
Arte: CTRL S Comunicação
O colega jornalista já ouviu falar em trabalho intermitente? Caso sua resposta seja “não”, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) vai te explicar. No próximo dia 11 de novembro, às 11 horas, na Sede do Sindicato, um debate visa detalhar os impactos da reforma no dia a dia dos jornalistas. Para se inscrever clique aqui.


Na “modalidade” intermitente de contratação, o profissional será remunerado somente pelas horas em que estiver trabalhando. Exemplificando, se um determinado trabalho do jornalista durar duas horas, ele receberá apenas por este período, o que pode acontecer ao longo de todo o mês ou semana.


Os defensores da Reforma Trabalhista alegam que, desta maneira, haverá menos desemprego por conta desta flexibilização. Contudo, basta um olhar mais atento para perceber o quão prejudicial será a vida da nossa categoria com um contrato de trabalho nestes moldes.


Para o diretor-presidente do SindijorPR, Gustavo Vidal, se o trabalho intermitente se tornar uma realidade, o futuro do jornalismo será colocado em xeque. “Ninguém vai querer investir em uma carreira para trabalhar desta forma. Você fica sem saber se terá trabalho no dia seguinte, além de afetar a questão salarial. Acredito que poderá haver uma debandada de profissionais, que vão migrar para outras áreas mais rentáveis. Não é com a flexibilização das leis trabalhistas que o problema da geração de emprego será resolvido”, opina.


O diretor executivo do SindijorPR, Pedro Carrano, alerta que há uma “armadilha” na questão de negociação salarial na reforma trabalhista. A tendência da reforma trabalhista, no geral, é fazer com que o trabalhador negocie individualmente, o que parece mais vantajoso e imediato. “O problema é que muitas vezes gera um patamar de perdas de direitos que afeta toda a categoria”, diz.


Frente a isso, a categoria deve ficar unida e não aceitar esse regime de contratação. As perdas profissionais e salariais serão grandes. Não haverá espaço para crescer dentro do ambiente de trabalho e corre o risco de chegar ao final do mês com um salário que não atende às nossas necessidades.
Autor:Flávio Augusto Laginski Fonte:SindijorPR