esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

06/06/2017

Em assembleias, jornalistas aprovam reposição salarial

Em assembleias, jornalistas aprovam reposição salarial
Foto: Joka Madruga

A maioria dos jornalistas presentes às assembleias gerais dos sindicatos dos jornalistas profissionais do Paraná (SindijorPR) e do Norte do Paraná, na noite de segunda-feira (05), aprovou a proposta dos sindicatos patronais para renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para 2017 e 2018.


Parte dos jornalistas que compareceram nas assembleias de Curitiba, Foz do Iguaçu e Ponta Grossa, além da base do Norte, em Londrina e Maringá, avaliaram como o limite da negociação a proposta de 3,99% de reposição da inflação, com retroativo, e a alteração na cláusula da Licença Maternidade, que passa a vigorar com 180 dias para todas as jornalistas a partir de agora. Nas assembleias da Subseção de Cascavel e região, proposta foi rejeitada.


Mesmo diante de um cenário que não repõe o retroativo de 2016, quando não foi pago, a categoria apontou como importante a conquista do índice em 2017, para manter a evolução do salário e do piso regional, que passa a ser de R$ 3.384,79, para jornada de 05 horas diárias.


“A valorização salarial se mantem com o total do reajuste implantado em folha. Esse é um objetivo da Diretoria do Sindicato, garantir a política de valorização do salário dos jornalistas sem acumular perdas reais”, diz Gustavo Henrique Vidal, diretor-presidente do SindijorPR. No entanto, o presidente reforça que os jornalistas não abandonarão os valores de 2016. “Vamos comunicar oficialmente aos empresários que em 2018 essa pauta retorna à mesa”, garante.


Os jornalistas, entretanto, rechaçaram, novamente, a postura dos empresários na mesa de negociação. Além de insistir, por duas vezes, em reajuste pela metade, 50% e depois 70%, os sindicatos patronais não aceitaram discutir qualquer outra pauta das reivindicações da categoria. “É lamentável que jornalistas, “matéria-prima” para as empresas, sejam tratados como custo e não investimento”, diz Gustavo Vidal.


Pela proposta aprovada nas assembleias, as empresas poderão implantar o reajuste até o salário de setembro de 2017. Neste caso, está garantido o pagamento do retroativo até 1º de maio em parcela única. Da mesma forma a licença maternidade é válida desde maio, assim as jornalistas que precisarem podem solicitar a licença com a data retroativa.

Autor:Flávio Augusto Laginski Fonte:SindijorPR