esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

28/05/2015

Pastor Edson Praczyk, será que não é o seu nariz que está crescendo?

Pastor Edson Praczyk, será que não é o seu nariz que está crescendo?
*Foto: Pedro de Oliveira/Alep

Quem não lembra do personagem Pinóquio, que tinha a “maldição” de ver seu nariz aumentando ao mentir. Pois então... Se isso se aplicasse aos parlamentares, qual deles não seria o “narigudo”?


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) viu não só com repúdio, mas também como uma piada de péssimo gosto as declarações do deputado estadual Pastor Edson Praczyk (PRB), que atacou jornalistas que cumpriam com seu dever de questionar as irregularidades apontadas pelo Ministério Público. Para isso, o SindijorPR estudará medidas a serem tomadas contra o parlamentar.


Mas a questão vai além. Vale lembrar que o deputado Pastor Edson Praczyk é presidente do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Paraná e que sua conduta se distancia do que seu cargo representa. O parlamentar ironizou e ultrapassou o limite ético de qualquer cidadão público ao usar termos chulos como “narigudo” ou “energúmeno” para atacar jornalistas. Alguém com tal conduta merece presidir o Conselho de Ética da Alep?


O SindijorPR considera tal postura não condizente com o perfil de um deputado estadual sério. A entidade, que defende o direito dos trabalhadores jornalistas do Paraná, reitera que as investigações relativas a funcionárias fantasmas no gabinete do Pastor Edson devem continuar.


Outro detalhe que o parlamentar não entende, ou não quer entender, é que o jornalista trabalha na apuração dos fatos e, se necessário for, irá, até o fim, questionar e formular perguntas que não são do agrado do investigado; esse é o trabalho do profissional da imprensa.


Também podemos ironizar tal postura quando não percebemos o mesmo tratamento chulo direcionado aos membros do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO). Será que o pastor não presta atenção nas características físicas dos policiais que fizeram busca e apreensão no seu gabinete? Por que reparar única e exclusivamente nos profissionais da imprensa?


Ironias a parte, o fato é que o GAECO realmente foi cumprir um mandado de busca e apreensão no gabinete do tal deputado. Ele é, sim, alvo de uma investigação do Ministério Público. É suspeito de ter mantido funcionários “fantasmas” durante o primeiro mandato dele na Casa – entre os anos de 2001 e 2003 – e de ficar com os salários dessas pessoas (para saber um pouco mais basta conferir as veiculações via Paraná Portal; além das matérias da RPC TV – link1 e link2).


Por fim, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná considera que a investigação do GAECO é de extrema importância para a sociedade paranaense, diferente da atuação do próprio parlamentar, que preside o Conselho de Ética da Alep, e foi o principal responsável por arquivar o pedido de abertura de processo de cassação contra o ex-presidente da Assembleia, deputado Nelson Justus (DEM), acusado de contratações irregulares e desvio de salários de servidores.


Denúncias e investigações são essenciais. Já apontar o dedo para o nariz dos outros...

Fonte:SindijorPR