esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

14/10/2014

Jornalistas assinam CCT 2014 desde que estágio seja de 4 horas

Jornalistas assinam CCT 2014 desde que estágio seja de 4 horas
Subseção Ponta Grossa

A negociação entre o Sindijor e o patronal está nos desdobramentos finais. O que falta é a assinatura dos empresários com a cláusula de estágio regulamentada


Os jornalistas paranaenses e empresários da comunicação estão perto de um acordo. Para que a assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho deste ano se confirme, a maior parte da categoria aceitou arredondar o reajuste salarial para 5% (0,16% de aumento real + 4,84% de inflação). Para isso, há uma condição: os trabalhadores exigem a inclusão de uma cláusula que regulamente o estágio de jornalismo com a carga horária diária de 4 horas.


Além disso, os profissionais deram autonomia ao Sindijor para negociar este item na mesa de negociação. A contraproposta patronal ainda indica pagamento do retroativo, referente ao vencimento da data base da categoria (1º de maio), em parcela única.


Em outubro completou cinco meses sem assinatura da CCT 2014. Até agora os jornalistas têm para receber de retroativo de R$ 630,46 (126,09 x 5 – sem computar os impostos / de acordo com o índice de inflação de abril = 4,84%); com salário base de R$ 2.731,29.


O encontro dos trabalhadores aconteceu na segunda-feira (13/10) em Curitiba, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu, Cascavel e Londrina. O que ficou claro em todas as assembleias foi a insatisfação da categoria. No norte do Paraná, por exemplo, a contraproposta patronal foi rechaçada na íntegra.


Intransigência e mobilização


“O patronal não cedeu mesmo em pautas que não impactam financeiramente nas empresas”, disse Guilherme Carvalho, presidente do Sindijor. Outro agravante da negociação deste ano foi a retomada, por parte dos empresários, da proposta de redução do piso do jornalista. Porém a categoria protestou com a campanha #jornalistasmobilizados e rechaçou a proposta.


O Sindijor também elaborou uma pesquisa junto à categoria para saber quais as principais necessidades do trabalhador, mas os empresários se negaram a debater essas pautas. Para o Sindicato, é um erro dos empresários não avançar em temas como segurança no trabalho, auxílio alimentação, plano de cargos e salários, assédio moral; além de outras questões apontadas pelos próprios jornalistas.


Leia o que foi publicado pelo Sindijor sobre a Campanha Salarial 2014

Autor:Regis Luís Cardoso Fonte:SindijorPR