esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

28/04/2014

30 de abril: Regularize sua situação e receba a devolução do imposto sindical

30 de abril: Regularize sua situação e receba a devolução do imposto sindical
Laerte

Faltam dois dias. O jornalista que deseja receber a devolução de 60% do imposto sindical precisa regularizar suas obrigações até o dia 30 de abril. O valor do imposto será enviado ao trabalhador em maio deste ano. Segundo a direção do Sindijor a única maneira de receber o valor é se sindicalizando.


Imposto: O Sindijor repassará os 60% que recebe, já que o valor total é dividido da seguinte forma: 5% para confederação correspondente; 10% para central sindical; 15% para a federação; 10% para a ‘Conta Especial Emprego e Salário’; além dos 60% para o sindicato. “A importância da devolução é fomentar a sindicalização. O objetivo do Sindijor é ter independência financeira”, explica Guilherme Carvalho, presidente do Sindicato.


CUT: em 2010 o Sindijor se filiou a Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Congresso Paranaense dos Jornalistas em Foz do Iguaçu. Esta ação representa um modelo de sindicalismo não amparado pelo estado, sem depender do imposto sindical.


“Um dos princípios da CUT é autonomia de gestão. A linha política da Central é de que pode haver uma colaboração voluntária, mas não o imposto sindical. O próprio trabalhador deve gerir, decidir e sustentar os rumos da categoria”, explica o vice-Presidente da CUT Paraná, Márcio Mauri Kieller.


“O objetivo é ter um sindicato independente. Hoje o Sindijor tem quase 5 mil sindicalizados, mas apenas 800 estão em dia”, revela Maigue Gheths, diretora financeira do Sindijor. Em 2013 houve um aumento de 10% na sindicalização e o objetivo é fazer com que esse número cresça mais, fazendo com que a entidade não dependa do imposto para promover ações.


A quitação do débito dos inadimplentes é fundamental para que os sindicatos garantam estrutura, independência e ações. O Sindicato é uma conquista dos jornalistas paranaenses na luta por uma vida mais justa e com mais qualidade.

Autor:Regis Luís Cardoso Fonte:Sindijor