esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

28/03/2014

Sindijor defende aumento real na primeira mesa de negociação

Sindijor defende aumento real na primeira mesa de negociação
Diretores sindicais na primeira mesa de negociação da Campanha Salarial 2014 (Regis L. Cardoso).

Começou a luta por melhores salários e condições de trabalho para os profissionais do jornalismo no Paraná.O encontro entre os sindicatos do trabalhadores e patronal foi nesta manhã (28), na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná


A Campanha Salarial 2014 dos jornalistas paranaenses tem a data-base para o dia 1º de maio. Hoje (28), pela manhã, na sede do Sindijor, foi realizada a primeira mesa de negociação entre trabalhadores e empresários. Para a direção do Sindicato as questões econômicas continuam centrais. “A realidade tem nos mostrado que hoje o mercado da comunicação tem desconsiderado o profissional mais experiente, na empregabilidade e na remuneração compatível à trajetória dele. Por isso o Sindijor defende e apresenta novamente como eixo centro das negociações a recomposição salarial, e questões como aumento real e um plano de cargos e salários”, explicou Cristiane Lebelem, diretora sindical, que participou da mesa de negociação. A próxima rodada de ficou marcada para o dia 14 de abril, às 14 horas, na sede do Sindijor.


Aumento Real


Hoje o piso do jornalista está em R$ 2.605,20. As últimas estatísticas divulgadas pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam que o valor do SALÁRIO MÍNIMO necessário é de R$ 2.778,63 (acima do piso da categoria). Na mesa de negociação, a direção do Sindijor defendeu um aumento de 12,54% no salário do jornalista, com um aumento real de 8%, mais o acréscimo da inflação no período de outubro de 2013 a abril de 2014, com base nos números do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).


Estágio: este tema é recorrente nas mesas de negociação entre jornalistas e patrões. Normalmente as empresas preferem não discutir cláusulas de estágio justamente porque na prática eles usam futuros jornalismo como instrumento para “baratear” a mão de obra nos locais de trabalho. Mais uma vez o Sindijor levará a questão do estágio aos empresários com a intenção de que as empresas se comprometam a regularizar e respeitar critérios ideias na contratação do futuro profissional.


“As empresas de comunicação do Paraná somente aceitarão estágio em jornalismo para estudantes que portem o parecer favorável do SindijorPR para a realização do mesmo, sendo obrigatório a apresentação deste documento para a contratação” – Cláusula 48º da pauta de reivindicações do Sindijor, relativa ao estágio.


Segue os principais problemas da profissão apontados pelos jornalistas paranaenses:


- O salário não é suficiente para atender as necessidades dos jornalistas – 14%

- Ausência de plano de cargos e salários – 9%

- Acúmulo de funções e sobrecarga de trabalho (multitarefa ou realização de várias atividades antes realizadas por outros profissionais) – 9%

- Não pagamento de horas extras – 7%

- Não fornecimento de vale alimentação – 6%

- Ausência de programas de qualificação e de incentivo aos estudos – 6%

- Demissões de profissionais com maiores salários para contratar novos jornalistas, com salários inferiores – 6%

- Distorção salarial na mesma função (falta de equiparação salarial) – 5%

- Falta de plano de saúde – 5%

- Contratação irregular, principalmente de repórteres fotográficos, cinematográficos, paginadores e diagramadores – 5%

- Uso de estagiários em vaga que deveria ser preenchida por profissional contratado – 5%

- Descumprimento, por parte das empresas, do acordo coletivo e da legislação trabalhista – 4%

- Assédio moral – 4%

- Pressão por quantidade de trabalho, em detrimento da qualidade – 4%

- Não pagamento de direitos autorais quando o conteúdo produzido pelo jornalista é usado por outro veículo – 3%

- Não pagamento de adicional de risco no exercício da profissão – 3%

- Não fornecimento de vale transporte – 2%

- Exclusão do sindicato nas decisões de interesse direto dos jornalistas dentro das empresas – 2%


Data-base: a mudança na data de negociação do Sindijor tem o objetivo de aproxima o Paraná das campanhas desenvolvidas pelos jornalistas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Além disso, a maior parte das categorias de trabalhadores negocia no primeiro semestre. Para criar uma pauta de reivindicação que se aproxime da realidade do trabalhador, o Sindijor fez um questionário, em que as respostas foram enviadas a entidade no fim de janeiro. Após a pesquisa, os pontos listados pelos trabalhadores foram discutidos em assembleia geral juntamente com o Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná.


*Foto: Participaram da primeira mesa de negociação por parte do Sindijor os diretores Cristiane Lebelem e Pedro Serápio; Sidnei Machado – assessor jurídico; Sandro Silva do Dieese e Ayoub Hanna Ayoub – presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná. Por dos empresários, a assessoria jurídica e membros do Sindicato Patronal, representante do GRPCom, SERT - Sindicato das emissoras de Rádio e Televisão do Paraná e Rede Massa.

Autor:Regis Luís Cardoso Fonte:Sindijor