esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

24/10/2003

Jornalistas aprovam dissídio coletivo

Em assembléia ontem na sede do Sindijor, os jornalistas novamente deram um retumbante não à proposta dos patrões para a convenção coletiva 2003-2004 e aprovaram a abertura de dissídio coletivo. É a culminação de uma negociação que não foi levada a sério pelos patrões, que trataram o tempo todo os jornalistas com desdém e não se empenharam em negociar em termos satisfatórios as cláusulas econômicos. Embora indesejado desde o início, o dissídio coletivo foi o único recurso de que dispúnhamos diante da intransigência dos patrões, que não aceitavam o repasse integral da inflação – que foi de 17,51% no período. Embora possa atrasar a fixação da nova convenção, o dissídio nos permite escapar da negociação desvantajosa na qual os patrões estavam tentando nos encurralar. O dissídio é um processo na Justiça do Trabalho, em geral longo e desgastante, que pode retardar a reposição das perdas inflacionárias, mas que, se for julgado favoravelmente aos trabalhadores, em geral garante a reposição da inflação retroativa à data-base, como foi o caso dos colegas mineiros, que obtiveram reajuste de 18% após um dissídio que durou quatro meses. No entanto, a instauração dele não impede que as partes continuem a negociar, sendo isso o que geralmente acontece, de forma que a conclusão de um acordo antecede o julgamento no Tribunal Regional do Trabalho. A partir de agora, o Sindijor começa uma mobilização para pressionar os patrões a assumir seus compromissos com os jornalistas e resolver rapidamente a negociação. Para isso, precisamos contar com o apoio de todos os colegas para fazermos eco às nossas reivindicações e conseguirmos mais uma vitória.

Fonte:SINDIJOR-PR - tele-fax (41) 224-9296