esqueci minha senha / primeiro acesso

ARTIGOS

Autor: Regis Luís Cardoso
11/04/2014

De Frente com Jornaldo: É decisão, vamos encarar a verdade?

De Frente com Jornaldo: É decisão, vamos encarar a verdade?

Alô alô alô minha gente! Está no ar mais um De Frente com Jornaldo, este que é o semanário exclusivo da Copa Jacquet Sindijor de Futsal. E como não poderia ser diferente, o papo agora e a última rodada do torneio e, óbvio, o Churrasco dos Jornalistas. Vale lembrar que o churras acontece na chácara do SindijurPR, em Almirante Tamandaré, na Rua Professor Alberto Piekas, 2360.


Bom, pra você não se perder entra lá no site do Sindijor e acesse o mapa!


E vamos direto ao assunto. Ao meu lado o já tarimbado e conhecido Jornaldo, nosso comentarista oficial da Copa.


“Das Copas, que fique bem claro!”


Ok Jornaldo.


Voltando... caminhamos para a última rodada, que acontece amanhã, dia 12 de abril, amigos! É isso mesmo, dia 12 de abril, paralelamente ao churras dos jornalistas.


Então vamos lá...


Jornaldo... temos novidades na final do Torneio... o que achou dos finalistas? Estão de acordo com a campanha de cada equipe?


Olha... só um pequeno parênteses antes. Sou o comentarista oficial desta Copa, especificamente. Mas também de outras Copas... inclusive de um ‘torneiozinho’ que acontece no Brasil este ano...


Ok Jornaldo... vou corrigir. Nosso comentarista oficial da Copa Sindijor e da Copa do Mundo 2014 no Brasil. Para que empresa você irá trabalhar na cobertura da Copa do Mundo mesmo?


Vou trabalhar para o povo meu caro. Tenho contrato de exclusividade com a população brasileira. Entendeu?


Entendi. E vai entrar no estádio para assistir as partidas e comentar como?


Olha... com meus ingressos. Mas não quero entrar em detalhes... podemos voltar a falar do torneio do Sindijor.


Claro... falávamos das novidades que estão nas finais. O que achou?


Achei interessante. Mesmo que esse papo de novidade não faça muito minha cabeça. O negócio é o time jogar bola e levar o caneco. Se o time é estreante ou se não é... isso é só um detalhe... o que vale mesmo é a bola na rede.


Sim Jornaldo, mas o fato de novas equipes entrarem na competição é algo que deve ser valorizado não é?


Sim, por esse lado, é claro que deve ser valorizado. O que quer que eu diga? Parabéns?


Não... tudo bem... não precisa dizer nada. Mas vamos lá... Catadão x Relevo no masculino. As duas equipes tiveram semifinais bem diferentes não é?


É verdade. Se por um lado o Catadão bateu a Confraria num jogo marcado pelos desfalques, o Relevo bateu o Sensacionalistas num jogo marcado por craques. Veja, não quero dizer que no primeiro caso não havia craques em quadra, mas é que o segundo jogo, pra mim, foi o melhor dos torneios. Sem dúvida.


Pois é... foi um grande jogo. E o que achou, Relevo mereceu?


Olha, no futebol a palavra mereceu é relativa. Durante a partida o time do Relevo saiu em desvantagem no marcador. Depois virou o jogo. Na sequência o Sensacionalistas virou e por fim a última virada. Vamos dizer que o time do Relevo soube virar melhor. Gosta mais de uma virada.


Como assim Jornaldo, mas o que é isso?


Estou me referindo a alternância no placar. Não leve por trás amigo.


Tá bom Jornaldo. E neste jogo mesmo tinha um duelo pela artilharia não é?


Mais ou menos. Não sou muito de falar em questões individuais, mas realmente neste jogo havia algumas peculiaridades.


Por exemplo?


O artilheiro de 2013 era o careca e o atual artilheiro é o cabeludo. Talvez, se é que houve um duelo individual, foi entre esses dois jogadores. Um duelo muito técnico e leal, que fique bem claro.


É, mas pelo lado do Sensacionalistas o Samuel brigava pela artilharia...


Se ele brigava eu não sei. Mas acabou brigando foi com a bola. Enquanto o Careca e o Cabeludo faziam um duelo de muita qualidade, outros jogadores deveriam ocupar a responsabilidade de decidir a partida. E aí entrou outro jogador, o Kássio, camisa número 4, eleito o melhor em quadra. Ele conduziu o Relevo à vitória.


Aí entra uma questão importante não é? O elenco...


É, mas o elenco do Sensacionalistas jogou bem. O Relevo também. Acredito que qualquer time que terminasse com vitória teria merecimento. A diferença, repito o que já disse em outras ocasiões, é que o jogador precisa ser bom contra os bons. No caso do Relevo, mais jogadores assumiram a responsabilidade. Pelo lado do Sensacionalistas o jogo ficou polarizado na armação de um jogador; mesmo ele tendo feito três gols e participado dos outros dois. O time do Relevo mereceu ser finalista porque soube distribuir melhor as tarefas, vamos assim dizer...


Tá aí... a distribuição de tarefas levou o Relevo a vitória então?


Sim. Outra coisa importante que devemos salientar é que os dois goleiros jogaram muito. Defenderam muito.


Realmente foi o melhor jogo dos torneios então?


Sem dúvida... disparado. Vi padrão de jogo, vi belas jogadas, belas defesas, disputas de bola... tudo com muita lealdade. Vi até a arbitragem cometer um erro antológico!


É mesmo, teve erro da arbitragem. Acha que isso influenciou no resultado?


Não. Houve um erro. Foi pênalti quase no término da partida a favor do Sensacionalistas, mas a arbitragem errou. É normal. Não houve maldade ou favorecimento na partida. Foi um erro... como diversos outros erros que aconteceram em diversas outras partidas. Não cabe aqui qualquer mimimi...


Mimimi?


É... choradeira. Colocar a culpa na arbitragem. Não cabe. O jogo já está na história do torneio como a melhor partida. Agora que venham as outras decisões.


Ok Jornaldo, vamos mudar de assunto então. Chega de Relevo e Sensacionalistas. Vamos para...


Vamos para disputa feminina...


Aé... você conduz a conversa agora?


Antes, agora e sempre...


Sua humildade impressiona...


Quase um franciscano...


Sei sei... bom... então vamos para a disputa entre Bandnets x Dasjor Gazeta... o que acha desta final?


Já era esperada. A surpresa foi a Bandnets já garantir sua vaga na decisão com antecedência. A equipe da Gazeta é a tradicional campeã e vai enfrentar uma novidade que tem craques que se destacam. O time da Bandnets é rápido, tem a Vanessa com um poder de decisão muito considerável. Será um jogão. Até porque a Dasjor Gazeta, no feminino, é como se fosse o Sensacionalistas no masculino, o time a ser batido na final. Mesmo o Sensacionalistas tendo caído na semi, que pra mim foi uma final antecipada. Vale lembrar que essas equipes fizeram um jogão na primeira rodada, com a vitória da Bandnets por 5 a 4. Mais uma vez vou dizer isso... quero mais equipes femininas nesse torneio. Chega de duelo entre careca e cabeludo, gordo e magro...


Jornaldo, tudo vai do interesse dos times, dos jornalistas. Esse ano já houve um aumento no número de jogadores e jogadoras...


É... eu sei. Enalteço essa questão. É sempre importante aumentar o número de profissionais envolvidos. Até porque é um momento em que os jornalistas conversam e se encontram... é verdade que falam mais em cerveja do que nos seus direitos trabalhistas... porém ainda há esperança...


Ainda há esperança? Exatamente sobre o que você está falando?


Sobre esperança ué. Sobre coragem. Sobre se expor para defender seus direitos. Você não viu a entrevista de uma jornalista ontem no site do Sindijor?


Sim, vi...


Ah bom... era só o que me faltava você não ter lido...


Mas o que a entrevista e a esperança têm em comum?


Os fatos meu caro. A entrevista mostra que uma jornalista se expôs para falar de algo que todos já sabem: a vergonha que são esses “contratos trabalhistas” praticados por algumas empresas de comunicação. No caso da entrevista não é bem uma empresa, é a emissora que deveria servir, teoricamente, os cidadãos paranaenses. Mas passa governo entra governo, ela, a emissora, serve apenas para publicidade institucional. Uma vergonha. Olha... digo até que se não tivesse essas costelas deliciosas no churras... após as partidas, todos os jornalistas poderiam e deveriam se juntar e fazer um protestos pelas ruas de Curitiba.


Mas o que o churrasco impede?


Ele nos deixa mais preguiçosos...


Nós não... fale por você...


É... acredito que é mais fácil pra você... que vai num espeto corrido, pega um pedaço de carne e sai correndo...


O que é isso Jornaldo? Nunca fiz isso na minha vida...


Mas deveria. É bom transgredir um pouco.


Está me aconselhando a roubar carne em espeto corrido?


Só como forma de protesto.


Que protesto Jornaldo? Estamos falando de futebol e você vem com papo de roubar carne, faça-me o favor né?


É preciso ler nas entrelinhas meu caro. O que quero dizer é que às vezes é preciso quebrar um pouco a ordem das coisas.


Podemos voltar a falar em futsal?


Claro... inclusive eu já estava chegando lá. Veja o time da Confraria. Um grupo de amigos que faz encontros e coisa e tal...


E aí...


E aí que esse grupo virou bando, que por sua vez virou bloco do eu sozinho na semifinal... foram pro jogo contra o Catadão totalmente descaracterizados. Onde estava o TIME nessa hora?


Pois é... ouvi dizer que teve um motivo...


Sim... teve... um baile country. Ainda se fosse uma festa de rock? Mas um baile country... faça-me o favor né... sem comentários.


A tá... era o que faltava você vir com preconceito musical agora...


Não é preconceito. Preconceito foi o que ocorreu no jogo do Paraná contra o São Bernardo... uma vergonha. Isso que eu digo é sobre o respeito... respeito com seu parceiro de time... se foram pro bailão... que saíssem direto pro jogo de roupa de cowboy mesmo... qual o problema... tem vestiário lá na Stark... era só trocar de roupa e jogar...


Está certo Jornaldo. Hoje você está nervosinho né! Nem parece que falta um dia para o churrasco...


Não é nervoso... é ansioso.


Entendi. Está explicado. Não vê a hora de assistir as finais não é?


Hmmm... é... é...


Não senti muita firmeza Jornaldo...


Olha... vou falar pra você que aquelas costelas fogo de chão dão um belo espetáculo também.


Você quer dizer que prefere assistir um osso queimando que as finais do Torneio?


Veja bem... veja bem... não foi isso que eu disse... mas se eu puder assistir aos jogos roendo um osso e tomando uma cerveja...


Cara... você já esqueceu do torneio né...


Olha... vamos deixar o torneio pra depois... vamos falar do churras...


Já estamos falando do churras...


Ok... mas gostaria de dizer que os jornalistas precisam fazer do churras a oportunidade de elaborar um plano pra dominar o mundo...


Vixi... agora você pirou de vez...


Se os jornalistas pararem pra elaborar um plano de manifestações... uma pauta conjunta de todos os jornalistas paranaenses, por exemplo, quem vai ficar sabendo?


Quem?


Quem os jornalistas quiserem. Somos nós que damos a notícia amigo.


Entendi. Você quer dizer que a pauta geral pode ser os jornalistas?


É claro! Cara... pare pra pensar. Você entende que os jornalistas do Paraná, por exemplo, estão em Campanha Salarial?


Entendo...


Então, isso só dando um exemplo: se os jornalistas se mobilizarem para as pautas que favorecem todos os trabalhadores, isso será a pauta principal, basta o jornalista se ver como trabalhador e se auto noticiar, assim como noticiam outras manifestações... veja o caso da RTVE, deveriam dar exemplo, mas não, empregam jornalistas com contratos precários, isso sem contar questões de salário abaixo do piso, carga horário de trabalho irregular, acúmulo de função... bom... pauta é o que não falta né... e a Campanha Salarial está aí... é preciso valorizar a luta dos trabalhadores... acompanhar a luta histórica do Sindijor na defesa dos direitos da categoria. E isso pode ser discutido comendo um costelão, jogando um futebol, escutando um rock n roll ou música country. A questão é a seguinte: É PRECISO DISCUTIR ISSO!


Calma Jornaldo, não precisa gritar...


Precisa. Eu grito mesmo. Eu fico p... da cara.


Calma cara...


Eu grito... eu me solidarizo. Essas coisas precisam desesperadamente se tornar hábito de discussão entre os profissionais. Se você tem um contrato precário, denuncie. Se você acumula função, denuncie. Se seu patrão te trata com inferioridade, denuncie. Denuncie irregularidade, denuncie os assédios... denuncie... não adianta ter um armador em quadra e ninguém pra concluir... não adianta ter um finalizador se não tem armador... não adiante ter um monte de craque no seu time se não tem goleiro... ai ai...


Jornaldo? Ei... você está bem?


Senti uma falta de ar... uma dor no peito.


Calma, você está muito nervoso...


E não é pra ficar?


Espere, pare um pouco de falar... calma... vou pegar uma água pra você... por hoje chega...


É... acho que estou trabalhando muito... não estou me alimentando direito... ok... vai lá pegar uma água pra mim por favor...


Ok...


Vai rápido... água gelada... copo limpo... se precisar lavar... lave...


Aff... tá bom Jornaldo... relaxa aí...

Articulista: Regis Luís Cardoso
.